domingo, 6 de março de 2011

A vida passa, mas o sentimento fica



O vazio interior é uma sensação estranha que muitas pessoas -mais do que imaginamos- sentem em grande parte de suas vidas. Algo que o indivíduo não consegue definir com exatidão o que o incomoda, mas que representa um desconforto psíquico em forma de insatisfação geradora de melancolia, frustração, desesperança e, em casos mais complicados, fastio pela vida.

Angústia originada pela privação ou ausência de algo que é -ou foi- significativo para a pessoa, o vazio interior resulta em somatização no organismo humano, onde a depressão encontra "terreno fértil" para fincar as suas bases.

No entanto, psicoterapeutas que lidam com a natureza interdimensional de seus pacientes, sabem que a sensação de vácuo interior tem a sua história intimamente ligada às vivências do espírito imortal. História que acrescenta um novo capítulo a cada reencarnação, tornando a experiência vital um ciclo vicioso que se encaixa ao padrão comportamental da pessoa.

Nesse sentido, é inegável que encontra-se na educação responsável, transmitida por pais biológicos ou substitutos amorosos e equilibrados, a missão do educador. Porém, como sabemos, nem sempre essa relação ideal se estabelece entre pais e filhos, e a falta das figuras referenciais, costuma gerar sequelas psíquicas que se manifestam na vida adulta em forma de desequilíbrios psíquico-espirituais.

Imaginemos, ao acompanhar esse raciocínio, o espírito reencarnado trazendo em sua bagagem de muitas vivências, a sequela do abandono ou da ausência. Experiências na relação com os pais que se repetem vida após vida, gerando dessa forma, um modelo de comportamento compatível com a queixa que a pessoa leva ao conhecimento do terapeuta...

Por este motivo, a natureza foi pródiga em associar o amor, a ternura e a afetividade à figura da criança. Justamente para despertar nos pais e educadores em geral, os sentimentos necessários e imprescindíveis à educação responsável e de qualidade.

Portanto, o amor transmitido pela educação consciente, é a única forma natural de recuperar espíritos que trazem no seu modelo comportamental, desajustes psíquicos. Nesse sentido, o amor na relação pais-filhos pode tornar-se em uma única encarnação, fator de cura do desequilíbrio que acompanha esse espírito há muito tempo...

O caso que apresentaremos a seguir, revela que por trás dos sintomas da pessoa em tratamento, há uma longa história comportamental de traço depressivo. Fato que a ciência oficial ao focar a sua investigação em apenas uma infância do indivíduo, não percebe a sua profundidade e essência. E, ao não perceber, perde em qualidade no sentido de proporcionar ao paciente um melhor nível de autodescobrimento que vise a autocura de seu sofrimento psíquico.

APRESENTAÇÃO DE CASO

Cristina, a filha do meio de uma relação complicada, chega ao consultório com a queixa de sentir um vazio interior, ou seja, uma insatisfação latente, uma falta de sentido para a vida. Além de um histórico de tratamento químico para a depressão.

Durante as sessões de psicoterapia de orientação psicanalítica, foi observado a produção de traumas psíquicos em sua infância. Traumas gerados na relação com um pai ausente, distante, e na relação com uma mãe desequilibrada emocionalmente. Sequelas que manifestam-se atualmente em forma de sofrimento psíquico.

No entanto, algo foi registrado como relevante durante as primeiras sessões do processo terapêutico, ou seja, o sentimento - ou sensação - de que o vazio que ela sente a acompanha desde os primeiros anos de sua infância. Essa informação foi indicativo para o encaminhamento da regressão de memória, experiência que ela acessou, via sentimentos, situações de outras vidas que sintonizaram com a sua queixa principal.

EXPERIÊNCIA REGRESSIVA

Na regressão à vida atual, Cristina acessa uma situação em que era bebê, e logo um sentimento de abandono materno apodera-se de si através de uma intensa manifestação catártica. A experiência fora um fato marcante em sua vida e diretamente relacionada à sua angustia de vazio interior.

Na sequência, Cristina percebe-se em um lugar afastado da civilização. Descreve as roupas que usa e a tarefa que executa naquele momento. É uma pobre camponesa que prepara com a sua rústica ferramenta, a terra para o cultivo. Apesar de ser uma mulher jovem, sente no corpo os efeitos do trabalho duro,   e na pele, a inclemência do sol e dos ventos da região. Maltrapilha, sente um profundo desgosto por aquela vida que considera de privações. Identifica no camponês que trabalha próximo a ela, o homem de seu último relacionamento que durou sete anos, e pelo qual, não nutre sentimento positivo.

Na segunda vivência, Cristina percebe-se vivendo em uma cidade de características medievais. Tem um casal de filhos que descreve como de pele clara, cabelos louros e olhos azuis. O marido é uma boa pessoa, mas confessa que não sente atração física pelo fato do mesmo ser de estatura baixa, obeso e ter as "bochechas" salientes. Com o passar dos anos ela percebe-se separada desta pessoa e vivendo com um "homem de farda", conforme registra. Os filhos já são adolescentes e o homem é muito severo com ela e os filhos. Então, uma sensação de vazio e de infelicidade determinam a sua escolha: fugir com os filhos e abandonar o homem de farda. Porém, o mesmo sentimento a acompanha até o final daquela vida, quando sente-se só e desamparada.

COMENTÁRIO

Quando associada à psicoterapia, a regressão tem o mérito de resgatar da memória o que o indivíduo necessita para elaborar a sua própria cura, além de despertá-lo para potencialidades até então desconhecidas de sua natureza interdimensional.

Cristina é uma pessoa simples, sem conhecimento ou experiências no âmbito das teorias reencarnacionistas. Por este motivo, marcou-me uma frase dita por ela logo após a experiência regressiva: Doutor, como pode eu ter sido uma pessoa loura, de pele clara e olhos azuis? Questionamento compreensível porque na vida atual Cristina é morena clara, de olhos e cabelos escuros...

Na verdade, a sua experiência regressiva foi rica na proposta original: investigar o seu inconsciente além da infância atual, ou seja, situações de outras vidas que sintonizasse com o "vazio interior" como característica integrada ao seu modelo comportamental. E a regressão mostrou que essa tendência a acompanha desde outras vidas como traço inconfundível de seu caráter e temperamento. Essa é a finalidade da Psicoterapia Interdimensional: focar o problema e redimensioná-lo em seu amplo contexto, cujas origens encontram-se intimamente relacionadas à trajetória do espírito imortal. E nesse sentido, Cristina começa a entender que para libertar-se de seu histórico desconforto psíquico, precisa preencher a sensação de vazio interior com a aceitação e prática de valores que promovam o seu crescimento integral.
Observação: o verdadeiro nome da pessoa foi preservado.

0 comentários:

Template - Dicas para Blogs