sábado, 11 de dezembro de 2010

Seu Valor

Qual o seu valor?


Não, não seu valor para o mundo, este sempre é tardio em reconhecer o verdadeiro valor das coisas, isso quando reconhece, refiro-me ao valor que você da a si mesmo.


Vivemos nos dias de hoje a era do “ser para os outros”, pouco importam nossos valores, sonhos ou nossa identidade própria, o importante é sermos aceito, e para isso passamos por cima de nós mesmo se preciso for. Nos vendemos por um emprego, por um encontro, para fazer parte de um grupo ou para termos atenção.


O padrão comportamental aceito (exigido) hoje é esse, você só é aceito se for igual. Você ouve o que todos ouvem, vê o que todos vêem, fala o que todos falam e vive como todos vivem, e para isso é claro você tem que deixar de ser quem você é, esse é o preço da aceitação ser igual comum, deixar seus sonhos de lado para comprar um “sonho comercial” que a sociedade lhe empurra goela abaixo.


Quando eu te perguntei qual o seu valor a ultima coisa que eu espero ouvir é uma resposta em números, pois você não tem preço, não só sua vida, mas o seu EU, não há dinheiro no mundo para comprar isso, mas neste mundo onde o que não tem preço é facilmente confundido com o que não vale nada, é sempre bom saber que temos um valor especial por sermos quem somos de verdade. Então não se venda com a ilusão de que você vai ser feliz sendo só mais um, o preço vai ser a vida!

La Barca

La Barca

Dicen que la distancia es el olvido,
pero yo no concibo esa razón,
porque yo seguire siendo el cautivo
de los caprichos de tu corazón.
Supiste esclarecer mis pensamientos,
me diste la verdad que yo soñe,
ahuyentaste de mi los sufrimientos
en la primera noche en que te amé
Hoy mi playa se viste de amargura,
porque tu barca tiene que partir
cuida que no naufrague tu vivir
Cuide para sua vida não naufragar
y te sientas cansada de vagar...
piensa que yo por ti estare esperando
hasta que tu decidas regresar.


A Barca

Dizem que a distância é o esquecimento,
Mas eu não aceito esta afirmação,
Porque eu continuarei sendo o escravo
Dos caprichos do seu coração
Você soube esclarecer meus pensamentos,
E me deu a verdade que eu sonhei
Afastou de mim os sofrimentos
Na primeira noite em que amei você
Hoje minha praia se veste de amarguras,
Porque sua barca tem que partir
Para cruzar outros mares de loucuras
Cuide para sua vida não naufragar
E você se sentir cansada de vagar...
Lembre-se que eu estarei lhe esperando
Até que você decida regressar.

Vida a dois

Vida a dois: o que fazer quando a relação não vai bem?

Autor fala sobre maneiras de evitar verdadeiros 'desastres' no relacionamento nas fases em que o romantismo está em baixa

Permitir e providenciar as pequenas "doses de saudades", bem como respeitar o tempo individual do parceiro é essencial na relação
Alguns relacionamentos oferecem a mulher um prazer sem medidas, muitas vezes eterno, no que diz respeito ao sentimento. Mesmo exibindo elementos importantes e ocasionando lembranças para toda a eternidade, no decorrer da vida, aparecem algumas "intempéries emocionais" suficientes para abalarem ou descontinuarem a relação, que até agora não apresentava nenhum sinal de dificuldade.
São infinitos os motivos que levam uma pessoa a romper com a outra, assim como a origem das atitudes separatistas. Problemas de condutas e de comportamentos inadequados, tais como mentiras e traições recorrentes, sem um porquê definido, constituem uma base para o término. Segundo Alexandre Bez, psicólogo especialista em relacionamentos, as palavras desmedidas, grosseiras, ou ainda as agressões verbais, são outros caminhos para o terminar a relação.

Do entendimento a recuperação

Para recuperar um relacionamento rompido ou entender porque ele não progride para um nível superior, existem vários passos. Confira abaixo:
Conhecimento pessoal, ou seja, saber se há interesse ou não na volta e o porquê desse não estar fluindo normalmente;
Lembrar dos velhos e bons tempos. Procure avaliar como era a relação no início e como está atualmente;
Identificar os porquês do desgaste, procurar a essência da culpa se é unilateral ou bilateral;
Perceber os pontos negativos existentes, assim como a deficiência e falta de diálogo, ajudando na recuperação dos desgastes e prevenção;
Gravíssimo: se o motivo do término foi agressão física, a reconciliação deve ser extremamente avaliada, pois certos comportamentos nunca mudam, em função da raiz rígida do caráter;
Ações carinhosas de pequeno calibre, desde que verdadeiras e despretensiosas, podem auxiliar em um novo recomeço;
Ter o tato necessário no relacionamento;
Permitir e providenciar as pequenas "doses de saudades", bem como respeitar o tempo individual do parceiro;
Tentar restabelecer a confiança, caso esta tenha sido perdida;
Agir sempre com naturalidade, sem ser dissimulado.
*Texto baseado no segundo livro de Alexandre Bez, que está em fase adiantada. A obra explora os possíveis fatores e os porquês que fazem um casamento ruir e também apresentam soluções das crises que, se descobertas a tempo, podem ser contornadas e administradas. Mostra também que a felicidade em si é utópica, mesmo encontrando a pessoa certa.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Gerações

Gerações X, Y e Z!

É necessário desenvolver um clima de cooperação organizacional, ou seja, envolver as gerações X, Y e Z de forma que uma esteja preparada para respeitar as diferenças existentes e aprender uma com a outra pois há muito conhecimento que pode ser trocado entre as duas gerações, cada um à sua realidade.

O assunto relacionado ao conflito das gerações existentes tem sido abordado com grande freqüência em todo o mundo. No Brasil, talvez com um pequeno atraso, mas também tem se preocupado com esta identificação e tentativa de equilíbrio entre as gerações.

A geração X (idades entre 30 e 45 anos) tem enfrentado algumas dificuldades em se adaptar à geração Y (idades entre 20 a 30 anos) e vice versa. A geração X é preocupada com o conhecimento, experiência e foco. A geração Y tende a fazer várias coisas ao mesmo tempo. Em 60 segundos já conseguiram pesquisar na internet, conversar com 10 pessoas simultaneamente no MSN, mandaram várias mensagens no celular, atenderam o telefone e ficam dando palpite sobre a mensagem que o outro colega mandou em um dos 25 e-mails que ele acabou de ler. É..., esta turminha da geração Y é muito aceleradinha.

Com a facilidade da experiência e conhecimento, a geração X tem maior facilidade de acesso aos postos de trabalho. Mas como toda instituição é orgânica, tende a crescer e se adaptar as tendências de mercado e rapidamente absorve a turminha da geração Y. É neste momento que começam alguns impasses. Eventualmente a geração X não está preparada para treinar e ser substituída futuramente pela geração Y e a geração Y acredita ser mais prática que a geração X e que pode ser muito mais ágil.

E a empresa? Fica igual pano em boca de vaca! Se puxar rasga se soltar engole, ou seja, se der prioridade para a geração X poderá vir a se estagnar. Se der maior atenção apenas nas sugestões e ações da geração Y pode deixar de desenvolver estratégias competitivas importantes para a empresa, uma vez que a geração X domina a informação e tem grande experiência.

É necessário então, desenvolver um clima de cooperação organizacional, ou seja, envolver as gerações X e Y de forma que uma esteja preparada para respeitar as diferenças existentes e aprender uma com a outra pois há muito conhecimento que pode ser trocado entre as duas gerações, cada um à sua realidade. O equilíbrio deste relacionamento é imprescindível para o sucesso. A geração X ainda tem muito para contribuir e precisará conviver com a geração Y por muito tempo. A geração Y vai se adaptar e entender a importância da cultura organizacional e comportamento interpessoal e ambas colaborarão para o aumento de seu desenvolvimento. No entanto, sempre será necessário a existência do respeito.

E se ambas acreditavam que bastava romper este paradigma e tudo se resolveria, precisam estar preparados para os nativos digitais, ou seja, os que nasceram no final dos anos noventa e estão hoje com aproximadamente 17 anos. Ainda mais agitados que a geração Y, são impacientes e acostumados com a agilidade do mundo virtual, tem muito que aprender sobre pessoas, comportamento e análise mas estarão muito melhor conectados com o mundo, do que qualquer outro.

Estes estão literalmente "no outro lado da linha". Amigos virtuais, conversas virtuais... A adequação deste novo perfil será muito mais delicado pois não têm a mesma flexibilidade que as demais gerações. Mas, serão imprescindíveis futuramente, pois estes mesmos futuros profissionais, são também o mercado alvo da maioria das empresas e para entender sobre este mercado, nada mais adequado que lidar com este perfil, também, dentro de sua instituição!

A Águia e a Mudança


A águia pode viver cerca de 80 anos. Ela depende, na maioria dos casos, somente dela para sobreviver todo esse tempo.
 
Entre os 40 e 50 anos de idade a águia precisa passar por uma série de transformações, que à levarão ao sofrimento extremo para que possa sobreviver.
 
Ela sobe até o alto das montanhas, onde se sente mais segura, e começa todo o processo para a renovação. Primeiro a águia começa a arrancar toda a sua pelagem, pena por pena, com seu próprio bico, pois as penas já estão velhas, no que resulta a perca de aerodinâmica.
 
Passado um mês toda a sua pelagem já está nova para voar em perfeição. Em seguida começa a quebrar suas unhas, velhas demais para segurar suas presas; elas tiram até a raiz para nascerem unhas mais fortes, parecidas com as de sua primeira caçada.
 
Após um mês de recuperação e crescimento das novas unhas, a águia ainda precisa passar pela parte mais difícil do processo que é a quebra de seu bico, muito velho e envergado que dificultam para pegar sua presa. Ela bate o seu bico por diversas vezes com todas suas forças restantes, já que ela está muito debilitada por todas as dificuldades passadas no processo de mudança, até que ele se quebre e caia.
 
Somente após um mês é que o novo bico estará forte para voltar a ativa, e a águia pronta para enfrentar novamente todas as dificuldades deste mundo...
 
Nós seres humanos somos iguais às águias. Entretanto, para vivermos muitos anos, precisamos reconhecer que não existe apenas uma mudança em nossas vidas, a mudança é algo constante.
 
No começo toda mudança é difícil. Afeta toda a nossa estrutura montada em anos de trabalho / relacionamentos pessoais que deixam de existir por um determinado momento até que possamos nos estruturar novamente.
 
É um recomeço.
 
Nessas ocasiões é que sentimos de verdade quais os nossos pontos fortes e fracos. Nos derretemos em lágrimas por coisas que jamais pensamos que poderia acontecer e também sorrimos por inesperadas atitudes que se não tivéssemos mudado não aconteceriam.
 
São nas mudanças que descobrimos as pessoas que nos ajudam a erguer nossas forças para a vitória ou aquelas que quando olhamos para o fundo do poço, vemos puxando a corda para cairmos.
 
Apesar das dificuldades tenha coragem para mudar, de preferência para oportunidades e caminhos bons.
 
Volte a ler aquele livro que você deixou para trás, os seus projetos de carreiras e de vida, suas metas, entre outros acontecimentos importantes em sua vida que foram deixados de lado.
 
"Nas mudanças é que aprendemos e crescemos na vida e no trabalho."
 
Mas antes de mudar veja se o local é adequado, se o seu financeiro vai suportar todo o período de vacas magras até você ser recompensado com o primeiro salário, se as pessoas com quem vai se relacionar são de bons procedentes.
 
Analise tudo nos mínimos detalhes que venha a interferir na sua felicidade e no seu crescimento pessoal e profissional.
 
Mudança é sinônimo de aprendizado.
 
Se a mudança deu errado e você vê que há possibilidades de voltar atrás para o seu bem, seja humilde volte. Também temos o direito de errar em nossas escolhas, mas só nós podemos assumir todas as conseqüências desse erro.
 
Lembre-se: em cada mudança existe uma proporção de igual valor tanto para se dar bem quanto se dar mal. Em 90% dos casos só você pode definir em qual situação irá ficar. Somente em 10% as decisões são tomadas por terceiros...

domingo, 5 de dezembro de 2010

Vida a dois

Termômetro da relação:
Beijo mantém o casal em alta

Muitas vezes quente e cheio de amor ou, ainda, frio e sem gosto, o beijo indica se os ares do amor estão parados ou totalmente esvoaçantes

Se pudesse traduzir paixão em apenas um gesto, qual seria? A gente já escolheu a representação física desse sentimento e torce pra que todos os casais concordem: o beijo. Ele, tão idealizado quando somos meninas e infelizmente banalizado quando crescemos, é sim, a representação máxima da paixão entre duas pessoas.
O problema é que, muitas vezes, ele é deixado de lado e, com o passar do tempo, perde a importância e o espaço dentro da relação. É como se fosse coisa de adolescente, de casal novo, de gente que não tem o que falar então usa a boca apenas pra beijar. Se você pensa assim, ligue todas as luzes de alerta! O beijo é o termômetro da relação. Se continua quente como nos primeiros encontros, parabéns. Se já nem lembra quando deu o último no maridão, então é melhor parar pra pensar.
A psicóloga e expert em sexo e relacionamentos Tatiana Presser, é uma dessas entusiastas do beijo enquanto peça fundamental de uma relação. "Ele é o jeito mais íntimo de demonstrar carinho e amor ao parceiro", garante. Além disso, funciona como estímulo aos filhos, que veem no carinho trocado pelos pais um exemplo a ser seguido. "Numa relação familiar é uma forma extremamente saudável demonstrar aos filhos que essa relação é amorosa e carinhosa, diferente do que outras parcerias".
Prestar atenção no beijo pode até salvar a relação. E, por incrível que pareça, o beijo está, infelizmente, cada vez mais disperso. "É difícil ver um casal que se beija com frequência e demonstra carinho de uma forma amorosa", analisa Tatiana. "Essa demonstração é essencial para manterem um contato íntimo e um respeito mútuo".
Deixar o beijo na gaveta, no banco, esquecido na caixa das boas memórias não é necessariamente culpa do casal. O tempo passa, as responsabilidades mudam, o dia fica mais curto e aquele beijo molhado vira um selinho na testa. A paixão inicial se transforma em outros sentimentos, mas nunca é tarde pra voltar aos tempos dos bons beijos de cinema.
"Mesmo que haja amor na relação, a correria do dia-a-dia acaba fazendo com que a gente deixe este hábito de lado e, quando finalmente nos damos conta do sumiço, nos sentimos tímidos em inserir a prática novamente no relacionamento", diz Tatiana. E, a maluquice nisso tudo, segundo ela, é que as pessoas passam a ter vergonha de se beijar. "São as contradições da nossa sociedade. Podemos dançar de forma explícita, mas o beijo sempre provoca um desconforto e por isso muitas vezes é deixado de lado".
A boa nova do beijo é que ele tem o poder de dar uma "chacoalhada", sempre! E vale para o bem ou para o mal - seja para demonstrar que está havendo problemas (quando é frio e sem gosto), ou para despertar o desejo adormecido. "Ele é determinante em mostrar para o outro o carinho, o amor e o afeto que se sente. O beijo é uma declaração, uma carta de amor".
Se você está tirando o corpo fora dessa análise só porque ainda transa com o amado como no começo da relação, atenção. "Muitos casais transam durante anos e não se beijam, mas poucos beijam, mas não transam", diz Tatiana. Entendeu? "O beijo é o gesto mais íntimo e, sem dúvida, mais íntimo do que o sexo em si. Não é a toa que muitas prostitutas fazem de tudo menos beijar".
15 Curiosidades sobre o beijo
1. Beijar ajudar a relaxar e a reduzir os efeitos do estresse;
2. Durante o ato do beijo você coloca 29 músculos faciais em movimento. Em outras palavras o beijo pode ser usado como exercício eficiente para prevenir o aparecimento de rugas;
3. Um beijo romântico rápido queima entre uma e três calorias. Um beijo de boca aberta com contato de língua de curta duração pode queimar cinco calorias. Um beijo de um minuto pode gastar até 26 calorias. Isso é o dobro do gasto de uma corrida intensa, na subida;
4. Quem beija troca saliva contendo diversas substâncias como gordura, sais minerais, proteínas, etc. A troca destas substâncias pode incentivar a produção de anticorpos pela sua relação com antígenos associados a diferentes doenças;
5. Beijar ajuda a prevenir contra cáries, pois aumenta a produção de saliva que colabora na limpeza da boca;
6. Estima-se que os homens que beijam suas esposas ao se despedir, antes de sair de casa, vivem cinco anos mais e ganham salários maiores do que aqueles que apenas batem a porta. Os homens da última categoria também tendem a sofrer mais acidentes de trânsito;
7. Uma pessoa comum passa 20.160 minutos (14 dias) da sua vida beijando;
8. Nos EUA os beijos nas bochechas só são dados por pessoas íntimas e não é o cumprimento padrão como no Brasil ou na Europa;
9. A palavra ‘ósculo’ é sinônimo de ‘beijo’ em português. A palavra é originada do latim ‘osculum’, que significa ‘boca pequena’, ou seja, o movimento feito com os lábios no momento do beijo;
10. O beijo mais longo durou 31 horas e foi realizado para um programa de televisão chamado "Ricki Lake" em 2002, na cidade de New Jersey;
11. Em alguns locais ou certas ocasiões beijar é crime. Nos EUA, no estado de Indiana, é ilegal que um homem de bigode "beije habitualmente seres humanos", na cidade de Hartford, Connecticut, é ilegal que um marido beije a esposa no domingo;
12. Nos tempos medievais os beijos eram levados a sério. Se um casal era pego "nos agarros" poderia ser forçado a casar;
13. Estudos indicam que 66% das pessoas mantêm os olhos fechados enquanto beija. O restante sente prazer em observar a miríade de emoções no rosto do parceiro (a);
14. O prazer do beijo pode estar ligado ao fato do tato labial ser duzentas vezes mais sensível do que o tato nos dedos;
15. Os corpos das pessoas, enquanto ocorre o beijo, produzem substâncias 200 vezes mais poderosas do que a morfina em termos de efeito narcótico. É por isso que um casal pode sentir euforia ou êxtase durante um beijo.


Sonhei com Você (Sem comentários...)


 

Sonhei com Você

Milionário e José Rico

Composição: Vicente Dias / José Rico

Depois de muito tempo acordado
Já cansado de tanto sofrer
Esta noite eu dormi um pouquinho
Sonhei com você
Você apareceu em meu quarto
E sorrindo me estendeu a mão
Se atirou em meus braços e beijou-me com emoção.

E matando a paixão recolhida
Num delírio de felicidade
Em soluço você me dizia:
Amor que saudade
De repente em menos de um minuto
Você se transformou num vulto e logo desapareceu
De repente em menos de um minuto
Você se transformou num vulto e logo desapareceu.

REFRÃO
Quando acordei não te vi, que desespero
Minhas lágrimas molharam a fronha do meu travesseiro
Meu bem como é maravilhoso sonhar com você
Amor como é triste acordar e não te ver.

E matando a paixão recolhida
Num delírio de felicidade
Em soluço você me dizia:
Amor que saudade
De repente em menos de um minuto
Você se transformou num vulto e logo desapareceu
De repente em menos de um minuto
Você se transformou num vulto e logo desapareceu.


(Prá vc Bobuxxa, xodades...)

Dia 29...

Dia 29 (Dia da Espiritualidade)

Quem nasce neste dia e souber orientar sua vida para o bem, conseguirá tudo o que desejar, pois o número 29 tem a característica de imprimir força ao nativo.
É um extremista: o 2 e o 9 levam-no ao estado de eufórico ou à melancolia.
Tem grande capacidade auditiva e senso variado de humor, podendo em questão de segundos ir da alegria contagiante à mais negativa das formas: a violência.
É um ser altamente espiritualizado e as pessoas que com ele convivem devem também comungar de seus ideais, pois caso contrário podem-se tornar seus inimigos.
Para conseguir se realizar usa de imaginação, brandura de modos (quando não o contrariam) além de elevado espírito de conciliação.
Como é moral e intelectualmente elevado, usa a fé, o idealismo e o conhecimento inspirado para tingir seus objetivos, seus ideais.
Sendo extremista, está sujeito a muitas mudanças comportamentais ao longo de sua duradoura vida e, por isso, deve procurar interesses definidos e manter o ânimo calmo e equilibrado, pois a sua normal agitação o torna disperso, provocando muitos começos e poucos fins.
Há uma grande tendência a se voltar para a religião ou esoterismo após os 45 anos e deve cuidar para não cair no fanatismo e também não induzir os demais, pois como é inspirado e cativante, tem facilidade de convencer quem quer que seja.
Para ter sucesso na vida, necessita de harmonia em tudo e com todos, pois tem muita dificuldade em se situar no meio-termo.
29 é o número do casamento e dos divórcios ou separações.
Pode sofrer inúmeras decepções amorosas e, se encontrar a sua 'cara metade', normalmente casa-se cedo.
Porém necessita controlar suas emoções e evitar atitudes apaixonadas, pois as uniões desfeitas causam-lhe imensos sofrimentos e dificuldades para se ajustar a uma nova relação.
Apesar de ser um pacifista, diplomata e conciliador, pode se tornar agressivo fisicamente, quando os seus princípios são violados ou as coisas não correm como gostaria, causando-lhe grande perda de energia e levando-o a se tornar irascível e até insuportável.
As frustrações, desenganos e derrotas eventuais podem lhe causar perturbações estomacais e demais órgãos do aparelho digestivo, ou mesmo moléstias de difícil diagnóstico e que se curam de maneira misteriosa.
Tem tendência à obesidade e, por isso, deve controlar a alimentação e bebida.
Fumar lhe é altamente prejudicial à saúde.

A criação da mulher...

E Deus fez a mulher...

Houve harmonia no paraíso.

O diabo vendo isso resolveu complicar:

Deus deu a mulher cabelos sedosos e esvoaçantes.
O diabo deu pontas duplas e ressecadas.

Deus deu a mulher seios firmes e bonitos.
O diabo os fez crescer e cair.

Deus deu a mulher um corpo esbelto e provocante.
O diabo inventou a celulite, as estrias e o culote.

Deus deu a mulher músculos perfeitos.
E o diabo os cobriu com lipoglicerídios.

Deus deu a mulher uma voz suave, doce e melodiosa.
O diabo a fez falar demais.

Deus deu a mulher um temperamento dócil.
E o diabo inventou a TPM.

Deus deu a mulher um andar elegante.
O diabo investiu no sapato de salto alto.

Então Deus deu a mulher infinita beleza interior.
E o diabo fez o homem perceber só o lado de fora.

Deus fez a mulher ficar maravilhosa aos 30, vibrante aos 40.
O diabo deu de presente a menopausa aos 50...

Só pode haver uma explicação para isso:


O diabo é V I A D O !!!!!


Carta aos meus invejosos de estimação

Queridos invejosos de estimação:

Aprendi há muitos anos com o meu pai que há quem diga mal de nós e que nos queira mal, mas que isso é bom sinal, quer dizer que existimos e que estamos bem. Fui absorvendo essa filosofia com o tempo e a verdade é que o meu pai é que sabe viver a vida: o caminho é sempre em frente e não vale a pena permanecer em vales de lágrimas. Nem sempre fui capaz de o fazer, houve momentos da minha vida em que fiquei parado em caminhos que pareciam becos sem saída e houve alturas em que me entristeci com a maldicência e o desejar nocivo dos invejosos.

Mas agora não. Podem falar o que quiserem, podem invejar tudo o que quiserem: a vida que pensam que eu levo, as riquezas que imaginam que eu tenho, tudo o que vos apetecer que isso já não me afeta. Podem agir de forma a magoarem-me, podem ignorar-me, podem até empinar o nariz, virarem-me as costas, que não vai adiantar nada. E porquê?

Descobri o elixir da felicidade. Tenho em casa os sorrisos mais lindos do mundo, o sentido de humor mais hilariante, os abraços mais fofinhos do mundo e isso faz com que tudo passe, nada permaneça, a não ser todo esse amor que transborda de mim para eles…

Xauzinho, invejosos, cultivem antes os sorrisos e talvez aprendam que só a energia positiva faz avançar o mundo!

Um dia...

Um dia a maioria de nós irá separar.
Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos; dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos.
Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim...
Do companheirismo vivido.
Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre.
Hoje não tenho mais tanta certeza disso.
Em breve cada um vai pra seu lado, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe nos e-mails trocados.
Podemos nos telefonar conversar algumas bobagens...
Aí os dias vão passar, meses, anos, até este contato tornar-se cada vez mais raro.
Vamos nos perder no tempo.
Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão:
-"quem são essas pessoas?"
Diremos que eram nossos amigos...
E isso vai doer tanto de saudade e de tristeza de não ter mais essas pessoas junto a nós.
Responderemos:
-"Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!"
Ser forte
 
... é amar alguém em silêncio.
... é deixar-se amar por alguém que não se ama.
... é fingir alegria quando se sente triste.
... é sorrir quando se deseja chorar.
... é consolar quando se precisa de consolo.
... é calar quando o ideal seria gritar a todos a sua angústia.
... é irradiar felicidade quando se é infeliz.
... é esperar quando não se acredita no retorno.
... é elogiar quando se tem vontade de maldizer.
... é manter-se calmo no desespero.
... é tentar perdoar alguém que não merece perdão.
... é fazer alguém feliz quando se tem o coração em pedaços.
... é ter fé naquilo que não se acredita.
... é tentar tirar alguém da cabeça sabendo que não sairá do coração.
... é ainda ter esperanças quando não há possibilidade.
Ser forte é, enfim, viver quando já se está morto.
Por isso, por mais difícil que seja a vida:
Ame-a e seja forte!

O desafio da aceitação

O desafio da aceitação
:: Elisabeth Cavalcante ::

Um dos maiores equívocos que cometemos no que se refere aos relacionamentos, especialmente aos afetivos, é acreditar plenamente que vamos conseguir mudar o outro.

No começo, quando estamos tomados pela paixão, ele nos parece o ser mais perfeito e encantador do mundo. Entretanto, conforme o tempo passa e passamos a conhecê-lo melhor, vamos percebendo seus defeitos e suas limitações.
Mas, esta constatação, por ser contrária ao sonho e à fantasia que acalentamos, se torna difícil de ser aceita. Então, criamos em nós uma ilusão, a de que nosso amor será capaz de transformá-lo de maneira definitiva.

Agarramo-nos a esta crença porque ela nos é muito confortável. E, ainda que o outro nos envie sinais suficientes para percebermos que a mudança não acontecerá, insistimos em permanecer cegos, até que finalmente se torne impossível para nós suportar a realidade da desilusão.
Aí, passamos a culpá-lo por nos ter decepcionado e traído nossas esperanças. Ocorre que não podemos nem devemos esperar que alguém mude, simplesmente motivado pelo nosso desejo.

Querer que o outro se amolde ao modelo que criamos em nossa imaginação, é uma atitude irreal, que acaba sempre gerando sofrimento. Enquanto permanecemos nessa tentativa, o tempo passa e um dia percebemos quanta energia gastamos nessa tentativa vã.

Aceitar nossa própria imperfeição é o primeiro passo para que abandonemos o sonho de encontrá-la no outro. Sem isto, continuaremos presas fáceis da decepção, pois nenhum relacionamento será capaz de preencher nossas expectativas.
" .... Pequenas coisas são suficientes para criar barreiras, e estamos todos vivendo com as nossas defesas, de modo que os outros não podem saber exatamente o que nós somos. Nós lhes permitimos conhecer apenas aquela parte do nosso ser que é aceitável a eles. Esse é um dos fundamentos da nossa miséria.
As pessoas são diferentes e nós deveríamos nos alegrar e regozijar em suas diferenças, em suas variedades. Seu julgamento não vai mudar ninguém; talvez seu julgamento possa criar uma teimosia na outra pessoa em não mudar. Quem é você para mudar a pessoa?

Esses são os segredos da vida. Se você aceita alguém com totalidade, ele começa a mudar, porque você lhe dá total liberdade de ele ser ele mesmo. E a pessoa que lhe dá total liberdade de você ser você mesmo... - você gostaria que aquela pessoa fosse feliz; no que lhe diz respeito, ele lhe deu a dignidade e a honra de aceitá-lo.

É muito natural que, se você vê algo em você que não está certo - embora a outra pessoa o aceite como você é - você deseje ser até melhor, por causa dela; ser mais meigo, mais amoroso, mais delicado por causa dela.

Eu o aceito como você é. Eu não tenho nenhuma expectativa sobre você - eu não quero que você seja modelado dentro de uma certa idéia, dentro de um certo ideal. Não quero fazer de você uma estátua morta. Quero que você fique vivo, mais vivo... e você pode ser vivo somente se a sua totalidade for aceita - não apenas aceita, mas respeitada....".

OSHO - O Esplendor Oculto.

Conversar com os espíritos

Conversar com os espíritos:
Questão religiosa ou uma realidade espiritual?
Osvaldo Shimoda


Muitas pessoas me mandam e-mails me indagando se a TRE é uma terapia espírita pelo fato de os pacientes conversarem com o seu mentor espiritual, recebendo suas valiosas orientações acerca da causa de seu(s) problema(s) e sua resolução, bem como -em sua maioria- com o seu obsessor espiritual (ser das trevas que, movido a ódio e vingança pelo fato do paciente tê-lo prejudicado no passado -desta ou de outras vidas- quer a qualquer custo prejudicá-lo), que lhe causa inúmeros problemas psíquicos, orgânicos -causa desconhecida pela medicina-, de relacionamento interpessoal, ou mesmo financeiro.
Portanto, por acharem que a TRE é uma "terapia espírita", um trabalho filantrópico, de caridade, me questionam por que eu cobro as minhas consultas. Mas por que esse questionamento?

Argumentam que não se pode vender mediunidade nem remunerar os médiuns no exercício de seu ministério, pois defendem a tese "Dai de graça o que de graça recebestes".
Mas quero ressaltar nesse artigo, que não sou um médium ostensivo (bem que gostaria), não incorporo nenhuma entidade espiritual, pois não tenho os canais mediúnicos abertos, aflorados, como muitos têm em ver, ouvir e conversar com os espíritos.
Em verdade, sou apenas um facilitador, um terapeuta que busca abrir o canal de comunicação do paciente para que o seu mentor espiritual possa lhe orientar acerca de seus problemas, sua resolução, bem como sobre a aprendizagem necessária nesta vida.

Desta forma, nesta terapia, quem vai conversar diretamente com o mentor espiritual é sempre o paciente. Por isso, como terapeuta, dependo das informações que o paciente me traz ao regredir, bem como de sua comunicação com o seu mentor espiritual. Neste aspecto, essa terapia revoluciona os conceitos de terapia e terapeuta, pois nas terapias convencionais é sempre o terapeuta que conduz a terapia, buscando a causa dos problemas do paciente, enquanto que na TRE, é sempre o mentor espiritual do paciente que a conduz.
Por outro lado, a psicologia e a psiquiatria, como ciências psicológicas, materialistas, oriundas de séculos de negação e combate às capacidades mediúnicas do ser humano, não levam em consideração a existência dos espíritos e sua influência na gênese dos problemas dos pacientes.

Sendo assim, elas ainda não reconhecem a TRE por achar equivocadamente que os temas reencarnação, plano espiritual e obsessão espiritual são assuntos de caráter religioso e, portanto, não científico. Por isso, a maioria dos psicólogos e psiquiatras ainda não aceita esses temas em seu diagnóstico, bem como em seu tratamento.
Preferem utilizar medicamentos químicos, que atuam apenas nos neurotransmissores dos pacientes, não levando em consideração a tese da reencarnação, ou seja, a existência de nossas vidas passadas atuando em nosso inconsciente, provocando as fobias, os transtornos de pânico, depressão, ou a atuação dos espíritos obsessores nos transtornos bipolares dos pacientes.

Esclareço ainda, que esses assuntos não são necessariamente de caráter religioso, mas são temas, sim, de pesquisa científica, desde 1950, onde a reencarnação vem sendo estudada dentro de uma metodologia científica.

Entre vários pesquisadores que se dedicam ao estudo da reencarnação, três nomes devem ser obrigatoriamente citados porque quando em vida (todos são falecidos), tinham uma reconhecida idoneidade científica, sólida formação teórica, e somente publicavam resultados após profundas pesquisas de campo, isto é, verificavam as evidências dos fatos.
São eles: Dr. Ian Stevenson, que era Diretor do Departamento de Psiquiatria e Neurologia da Escola de Medicina da Universidade de Virgínia, nos EUA. Ele publicou no Brasil, em 1971, o livro 20 Casos Sugestivos de Reencarnação; Prof. Hemendra Nath Banerjee, ex Diretor de Pesquisa do Indian Institute of Parapsychology. Ele pesquisou mais de 1100 casos de reencarnação em todo o mundo. E o 3º pesquisador é o Dr. Hernani Guimarães Andrade (tive o privilégio de conhecê-lo pessoalmente em 1991) - Cientista brasileiro, respeitado pela comunidade científica internacional, foi Diretor Presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas (IBPP) e autor do livro "A Reencarnação no Brasil", entre outros.

Fica evidente, desta forma, o desconhecimento e o despreparo de nossa materialista cultura ocidental em aceitar a natureza espiritual do ser humano, negando-a ou transformando-a em objeto de altar e de santificação, a ponto de mistificar, endeusar quem tem mediunidade, que é um atributo natural e imutável do ser humano. A prova maior disso é que na TRE -conforme acima mencionei-, a maioria dos pacientes se comunica com os seres desencarnados da luz ou das trevas, após eu abrir o seu canal mediúnico e muitos já vêm com os seus canais mediúnicos abertos, aflorados. Desta forma, somos todos médiuns (médium é aquele que intermedia a comunicação entre os desencarnados e encarnados) -desenvolvidos ou não-, portanto, canais dos seres espirituais da luz ou das trevas.

No entanto, muitas religiões ainda mistificam as manifestações espirituais, não como uma realidade espiritual natural, mas como fenômenos atribuídos ao Diabo ou a Satanás. Em verdade, essa crença é fruto, resquício de séculos de Inquisição da Igreja Católica, em que era proibido lidar com os Espíritos, por serem coisas do "Diabo".
Portanto, quero deixar bem claro neste artigo, que essa terapia, a TRE, como método terapêutico de autoconhecimento e cura, apesar de lidar com as manifestações espirituais obsessoras e mediúnicas dos pacientes, não é uma terapia espírita, mas sim uma terapia independente, desvinculada de quaisquer instituição, religião, seita ou grupo espiritualista, pois entendo que, quando o ser humano se apega a um dogma, ou doutrina, se limita, impede sua liberdade de pensamento e evolução.
Por isso, a TER é evolutiva por colaborar na evolução, no aprimoramento espiritual do paciente e também por ser uma terapia progressista, isto é, seu método terapêutico está sempre em evolução, transformação.
Caso Clínico:
Lado profissional e financeiro travado.
Mulher de 30 anos, divorciada, um filho.


A paciente veio ao meu consultório querendo entender por que sua vida profissional e financeira estava travada, não ia para frente. Sentia que havia algo amarrando, bloqueando a sua vida.
O outro motivo que a trouxe à terapia era o péssimo relacionamento com a sua mãe.
Segundo a paciente, sua mãe sempre teve inveja de sua coragem, iniciativa e desenvoltura. Por isso, ela nunca a aceitou como filha, sempre privilegiando o seu irmão. Sentia também que ela era dissimulada, não era sincera. Portanto, não conseguia confiar nela como mãe. Já com o pai se dava muito bem e, por isso, tinha muita saudade dele (ele faleceu 17 anos atrás).

Ao regredir me relatou:
"Meu pai está aqui no consultório, veio me ver (paciente fala chorando). Ele usa uma blusa e calça branca. Seu rosto está bem sereno". (pausa).

- Pergunte se ele tem algo a lhe dizer.
"Ele diz que também sente saudade de mim, mas que está bem (fala chorando copiosamente).
Diz também que os acontecimentos da vida são maiores do que o meu entendimento. Mas revela que ele faz parte de minha família espiritual, ou seja, a minha família de origem do plano espiritual, onde vim antes de reencarnar, e que fomos grande amigos em outras encarnações. Afirma que o meu filho da vida atual faz parte também de nossa família espiritual, e que eu soube educá-lo, orientá-lo bem (seu pai veio a falecer quando o neto tinha um ano de idade).
Por isso, diz que tem muito orgulho de mim. Fala ainda que o meu filho é um ser de muita luz, que vai ser uma pessoa notável nesta vida terrena.
Ele está agradecendo pelas minhas orações, por toda a luz que lhe mandei. Diz que estava se recuperando no hospital do astral. Revela ainda que a minha vida irá mudar". (pausa).

- Pergunte-lhe como ela vai mudar.
"Diz que no tempo de Deus saberei. Diz ainda que me ama muito, e que sou uma mulher de muita coragem e fé. Fala que o pior já passou em minha vida... Agora está se despedindo, me dando tchau. Eu queria que ele ficasse mais tempo comigo... Mas ele foi embora (paciente fala chorando)".

Na sessão seguinte (3ª e última), ela me relatou:
"Vejo um navio grande, antigo... É uma vida passada. Estou dentro dele... ele balança muito. Tem muita gente: homens, mulheres e crianças. Usam roupas de época... Tem um piano dentro do navio, num salão com lustres de cristal, o piso é todo revestido de tapete vermelho... Está tendo uma festa. Sou uma mulher branca, cabelos pretos, presos, uso uma jóia no pescoço, o meu vestido é longo. Devo ter uns 40 anos.
A bandeira do navio é inglesa... Estamos em alto mar. Está todo mundo bem vestido... Estou acompanhada de um homem. Ele é alto, magro, tem uns 50 anos, usa um fraque. Ele é o meu marido nessa vida passada. As pessoas estão dançando, ouço a orquestra tocando. (pausa).
Agora estamos saindo desse salão... subindo uma escada. A gente está indo para a cabine porque não estou me sentindo bem, estou enjoada. Ele briga comigo, diz que estraguei a sua festa, que sempre estrago tudo. Ele está embriagado... Falo para ele voltar para a festa, que vou ficar bem. O meu marido fala que o fato dele perder dinheiro no jogo de pôquer foi por minha culpa.
Ele está bastante alterado. Ele sempre joga, bebe e sai com prostitutas. Casou comigo por causa do dinheiro de meu pai. Diz que quero humilhá-lo... Está procurando bebida desesperadamente; peço para ele não fazer isso, mas ele me empurra. Afirma que não sou mulher nem para lhe dar um filho. Sai batendo a porta. (pausa).
Vejo o navio afundando... Observo de cima, estou em espírito, flutuando... Acho que morri. Escuto muitos gritos, que vão ficando longe, se distanciando. (pausa).
Vejo agora uma freira... está do meu lado. Ela estende sua mão... e me leva". (pausa).

- Veja para onde ela te leva.
"Estou num lugar branco, é um lugar bem claro... Sinto dor nas costas, está doendo muito... Acho que bati no convés do navio na hora do naufrágio. Estou em outro plano, no astral superior".

- Você consegue se ver?
"Sou mais baixa e mais magra do que sou hoje. Uso uma camisola branca de manga comprida. É uma roupa que parece de hospital (a paciente estava descrevendo a roupa do hospital do astral).
Estou sentada numa cama, conversando com aquela freira que me resgatou do naufrágio... Ela diz que é uma socorrista (são espíritos de luz que têm a missão de ajudar os encarnados no momento de seu desencarne para levá-los para a luz).
Ela diz que agora está na hora de eu reencontrar a minha família espiritual. (pausa).
Estou andando num lugar grande, têm muitas portas e janelas. Têm paredes, mas não tem teto. Vejo umas luzes coloridas no lugar do teto. Cada aposento tem uma cor diferente.
Agora estou saindo desse lugar, indo para fora... Tem uma moça me esperando, ela é simpática. Diz que é a minha irmã espiritual. Ela pega na minha mão e me leva para uma casa. Ela me apresenta a uma senhora muito bonita. Fala que é a minha mãe espiritual. Há mais pessoas nessa casa, no total de cinco. Todos estão alegres, fazem uma festa com a minha vinda.
Minha mãe espiritual me serve água, passa a mão no meu cabelo carinhosamente, como uma mãe faz (paciente diz chorando). Todos fazem um monte de perguntas: se estou bem, se ainda dóem as minhas costas... Ela me pega pela mão e me leva para outro lugar. (pausa).
Pergunto-lhe por que a minha vida profissional e financeira está truncada nessa encarnação atual...
Ela diz que é porque me envolvi com energia pesada, mas que o plano espiritual está limpando, que tenho muitos amigos que gostam de mim no astral.
Ela me acalma dizendo que falta pouco para que a minha vida destrave; pede para ter um pouco de paciência, pois estou no caminho certo.
Revela que trabalhar com publicidade é o meu verdadeiro caminho profissional. Esclarece que já trabalhei com publicidade na encarnação anterior à atual".

- Pergunte à sua mãe espiritual em qual tipo de energia pesada você se envolveu...
"Diz que foi no terreiro de candomblé que freqüentei na vida atual. Fala que são energias incompatíveis com a minha, pois o meu grau de evolução é diferente das energias daquele local.
Ela me agradece por ter ajudado o Agnaldo, um amigo também da vida atual. Revela que ele é o meu irmão espiritual, portanto, filho dela".

- Pergunte-lhe por que a sua mãe carnal não a aceita como filha...
"Ela diz que não pode me revelar, mas afirma que ela é um espírito ainda muito imaturo, egoísta. Pede para eu fazer a oração do perdão para minha mãe. Aconselha a não ter raiva dela e que é melhor eu não saber o que houve entre nós na vida passada.
Revela ainda que a minha vida passará por muitas mudanças, principalmente no campo profissional, pois irei expandir-me em meu trabalho". (pausa).

- Pergunte-lhe se isso será breve
"Diz que sim, porém irá ocorrer de forma gradativa. Pede para não esquecer que a família espiritual nunca se perde, que será sempre o meu porto seguro e é para onde irei quando desencarnar".

- Pergunte qual é o nome dela?
"Elizabeth é o nome dela. Afirma que além de ser a minha mãe espiritual é também a minha mentora espiritual. Fala que sempre conversa comigo em pensamento, em minhas intuições -embora não perceba-, bem como quando durmo, nos meus sonhos.
Finaliza dizendo que olha por mim o tempo todo... Ela agora se despede, dando um beijo no meu rosto".

O Amor tem fim?

O Amor tem fim?


O amor, quando realmente existe, é incrível e nos prega peças e nos deixa atônitos, sem explicações. Não existe tempo para aqueles que amam. Quando ele se manifesta em nossas vidas, se instala, passa a existir e isto é eterno! Passam-se dias, anos, parece que ele se foi, até o dia em que a Vida nos dá a oportunidade de reencontrar quem amamos e um milagre acontece - nada mudou... Continuamos um diálogo que aparentemente nunca foi interrompido, embora nossos corpos mais envelhecidos demonstrem a passagem dos anos. O ontem se conecta com o agora, como se o intervalo jamais tivesse existido e os olhos confirmam a chama de um carinho imenso, doce e muito mais profundo do que poderemos jamais mensurar. Este é o amor verdadeiro! Supera o passar das horas, perdoa as nossas falhas, ultrapassa os obstáculos e se mostra tal qual é - eterno e imutável.


Que sensação gostosa de completude, que alegria na alma, que encontro real com o nosso espírito, que felicidade! Para todos aqueles que já tiveram a graça de ter um encontro de amor real, nesta encarnação, acho que o que estou falando vai ficar fácil de ser compreendido. Para aqueles que ainda não tiveram esta chance, fica aqui a confirmação de que isto é possível e um dia certamente vai acontecer.


Vejam que não estou me referindo apenas aos amores que dão certo, que têm um final feliz nesta vida, mas mesmo aos amores que não conseguiram se realizar no mundo real, mas que como que por milagre, continuam a existir, numa outra faixa vibratória, onde certamente esses dois seres se comunicam, ou não estariam tão à vontade quando se re-encontram, depois de passados tantos anos, meses...


Podemos ter este encontro de almas, entre amigos, entre pais e filhos, mas acho que o mais intenso deles acontece entre os amantes, pois neste caso, o encontro de energias é muito mais forte. Aí não são necessárias palavras, apenas a proximidade. Tudo fica expresso no silêncio do encontro, que se perpetua na eternidade. Difícil falar sobre algo que se sente, mas sinto que é preciso tentar expressar que este milagre acontece, existe, vai continuar acontecendo e precisa ser reconhecido por nós, que vivemos num mundo onde se tenta definir o indefinível, pesar o que não é jamais capaz de ser mensurado.
Enfim, o encontro real no amor detona luz e energia que tem como iluminar o Universo e que se perpetua, contra todas as leis humanas e todos os prognósticos definidos pela razão, infinitamente...


Acho que na pressa em que se vive hoje, correndo não sabemos pra onde, nem para que, talvez o Amor esteja meio sem jeito de acontecer. Mas espero, sinceramente, que não fique tímido e envergonhado e se manifeste mais e mais, pois eu garanto que quando ele se instala, não há como não ser escutado... E precisamos que isto vá sendo vivenciado, mais e mais, em todos os locais deste nosso planeta sombrio e triste, para que uma força gigante, amorosa, se manifeste por todos os lados, limpando o lixo que teima em se acumular em nossos corações, nos levando à desesperança, à depressão, ao egoísmo doentio.


Desejo que neste Natal que se aproxima a passos largos e neste Novo Ano que sempre recebemos com renovadas esperanças, mais corações se encontrem profundamente e se reconheçam na plenitude do Amor! Se cada um desejar isto para si mesmo, criaremos uma prece poderosa que atrairá quem nos espera, como um imã infalível!
Vamos amar sempre, crendo na força deste sentimento que é nossa essência, nossa força, nosso habitat, nossa redenção como humanidade. O resto é resto. Precisa ser desconsiderado.


Sonhemos amigos, pois o sonho é uma prece poderosa alimentada pelo coração. Chega de tanto absurdo, de tanta coisa sem sentido, de tanto sofrimento. Vamos trabalhar para sermos felizes e só amando muito, alcançaremos este estado abençoado de união com Deus, Amor que nos habita e a tudo que nos rodeia.

Template - Dicas para Blogs