quarta-feira, 16 de junho de 2010

A química do amor


O amor é pura química. É o que demonstram algumas pesquisas feitas dentro das áreas de Neurociência e Genética. Por meio de exames, os cientistas já conseguem entender quais e como as áreas do cérebro envolvidas no apego e fidelidade funcionam, e o importante papel que os hormônios exercem em todas as etapas de um relacionamento. As análises mostram que, tanto no amor como na paixão, as áreas ativadas no cérebro são as mesmas. Os hormônios também: oxitocina e vasopressina. O primeiro é associado ao que as pessoas sentem ao abraçar ou beijar alguém por quem nutrem um sentimento muito forte. É também chamado de “hormônio do amor”, tanto é que sua concentração se eleva a 400% durante um orgasmo.


Já a vasopressina, que também é liberada durante o ato sexual e traz sensação de prazer, é um dos hormônios que determina as chances de um casal dar certo ou não. Com esses dados em mãos, os cientistas concluem que o afeto que sentimos por outra pessoa é tão inconsciente como qualquer outro sentimento humano, como sentir fome ou sede, por exemplo. Quando estamos apaixonados, o cérebro “desliga” a amígdala, que é responsável por nossos julgamentos sociais. Os geneticistas acreditam que esse é um processo vital para a continuação da espécie. Na paixão, as áreas ligadas ao juízo crítico são desativadas, então, a pessoa não consegue identificar ameaças. Isso faz com que a pessoa veja menos defeitos no ser amado. Por isso se diz popularmente que ‘o amor é cego, conforme explica o neurocientista André Palmini, da divisão de Neurologia da PUC-RS.


Segundo Palmini, o amor aciona as áreas do cérebro responsáveis pelo sistema de recompensa. Em busca de bem-estar, nos apaixonamos. Mas como a ciência explica o amor? Segundo o neurocientista, aos poucos, essa sensação é substituída por afeto, que aciona outras áreas do cérebro e libera hormônios ligados ao prazer, mantendo os casais juntos.

0 comentários:

Template - Dicas para Blogs